Portfolio (2)

Grupo de investigação URBinLAB propõe 10 medidas para a adaptação da Cidade no período pós-COVID-19

Grupo de investigação URBinLAB propõe 10 medidas para a adaptação da Cidade no período pós-COVID-19

"Perante os desafios colocados pela COVID19, o URBinLAB considera fundamental contribuir com um conjunto de reflexões, na perspetiva de que o Território e as Cidades são, nestes tempos de incerteza e emergência em que vivemos, recursos e instrumentos poderosos de resposta, de adaptação e de inclusão, mas também de renascimento no pós-pandemia. 

Ao invés de um retorno a uma vida exurbana, isolada, individualizada e anti-urbana, por regressão a um paradigma que já demonstrou estar esgotado e não ser sustentável, consideramos que a resposta está antes na capacidade de inovação. O desafio passa por encontrar soluções de compromisso entre a necessidade iminente de garantir um distanciamento físico entre pessoas e a oportunidade latente de aproveitar o momento para construir um território e cidades melhores, mais sustentáveis e com melhor qualidade de vida, hoje e para o futuro."

Nesta nova situação social, o URBinLAB enumerou os desafious, tensões e conflitos que a alteração dos estilos de vida imposta pela pandemia implicou na dinâmica das cidades. Face a estas problemáticas, os investigadores do grupo traçaram 10 medidas para a adaptação da cidade no período pós Covid-19:

• Aumento das áreas públicas exteriores de estadia, fruição e convívio, associadas a adaptações no sistema de mobilidade e de melhoria das condições ambientais.

• Revitalização do comércio de proximidade e reforço da componente exterior de espaços comerciais (ex. esplanadas, zonas de atendimento, zonas de espera exterior protegida), coordenada com lógicas de qualificação e vitalização do espaço público.

• Promoção de novas atividades comerciais, culturais e de fruição do espaço exterior (ex: instalações temporárias, móveis, adaptáveis), particularmente em lógicas de proximidade a áreas residenciais.

• Desenvolvimento de soluções arquitetónicas que promovam o contacto do espaço habitacional com o exterior (por ex. varandas generosas – individuais ou espaço coletivos em contexto habitacional).

• Estruturação e reforço de áreas de produção agroalimentar de proximidade e integradas nos espaços urbanos, incluindo a utilização temporária de espaços vacantes e expectantes.

• Promoção da biodiversidade no território urbano, em articulação com estratégias de reforço dos serviços de ecossistemas e de integração dos ciclos naturais no ambiente urbano.

• Alargamento de espaços de circulação pedonal, em articulação com a reorganização dos espaços de circulação e estacionamento automóvel e melhoria das condições de uso e recolha segura de bicicletas.

• Reforço do investimento em sistemas de mobilidade coletiva articulados com modos ativos e com uma rede ciclável inclusiva, alargada e integrada a nível urbano e metropolitano.

• Reforço e democratização do acesso a redes e infraestruturas digitais (free wi-fi em parques, jardins e espaços públicos), com atenção particular ao acesso por populações com carências económicas.

• Disponibilização e exploração de novas e mais formas de participação democrática e reforço da governança territorial, para envolvimento das pessoas nos processos de planeamento urbano e territorial e fortalecimento das formas de cooperação e de abordagem territorial integrada.

 

O documento completo pode ser consultado na ligação

Date

19 maio 2020

Tags

Notícias
Política de Cookies

O site da FA.ULisboa utiliza cookies para melhorar a sua experiência de navegação.
Ao clicar em qualquer ligação nesta página está a permitir que possamos definir cookies no seu navegador de internet.

A FA está mais perto de ti

icon facebook icon twitter icon instagram icon youtube icon linkedin

 

    divulgacao@fa.ulisboa.pt

©2018 Communication Office and Multimedia Office of Lisbon School of Architecture

Search